Dr. Mark Trozzi

Honesto | Ético | Médico

Investigações nanotecnológicas sobre as "vacinas" Covid-19.

Livro branco sobre as composições "vacinas

Anonimamente de autoria do The Scientists' Club

Introdução

A nova pandemia de Covid-Sars2 induziu as indústrias a desenvolverem novos medicamentos a que chamaram vacinas. O mecanismo de acção destes novos medicamentos, tal como declarado pelas indústrias farmacêuticas, juntamente com o que é relatado na folha de dados dos produtos, foi suficientemente claro para que os cientistas compreendessem que esses produtos não são vacinas mas sim medicamentos nanotecnológicos que funcionam como uma terapia genética.

O nome "vacina" é provavelmente uma escamotagem utilizada por razões burocráticas para obter uma aprovação urgente, de modo que dribla todas as regras normais necessárias para novos medicamentos, especialmente para aqueles que envolvem novos mecanismos nanotecnológicos, nunca antes experimentados. Todas essas "vacinas" são patenteadas, e seu conteúdo real é mantido em segredo até mesmo para os compradores, que, é claro, utilizam o dinheiro dos contribuintes. Assim, os consumidores (contribuintes) não têm qualquer informação sobre o que recebem no seu corpo. São mantidos no escuro no que diz respeito aos processos nanotecnológicos envolvidos, sobre os efeitos secundários no organismo, mas sobretudo sobre as possíveis nano-bio-interacções que podem acontecer.

 

O presente estudo através de análises directas sobre algumas "vacinas" por meio de instrumentação nanotecnológica dá informações sobre o seu conteúdo real.

Materiais e Métodos

Foram analisadas quatro "vacinas" desenvolvidas para a doença do vírus Corona (Comirnaty di Pfizer-BioNtech, Vaxzevria by Astrazeneca, Janssen by Johnson & Johnson)Moderna) utilizando diferentes instrumentos e protocolos de preparação de acordo com novas abordagens nanotecnológicas.

Microscópio óptico, Microscópio de campo escuro, espectroscópio de absorção de UV e fluorescência, Microscópio de varredura eletrônica, Microscópio de transmissão eletrônica, Espectroscópio de dispersão de energia, Difratômetro de raios X, Instrumentos de ressonância magnética nuclear foram utilizados para verificar a morfologia e o conteúdo das "vacinas". Para as medidas de alta tecnologia e o cuidado com a investigação, todos os controles foram ativados e medidas de referência adotadas para a obtenção de resultados validados.

Por causa da brevidade do texto, algumas medidas não são relatadas aqui.

As análises verificaram a morfologia do conteúdo das amostras e a sua composição química. As imagens seguintes mostram de forma objetiva o que a instrumentação detecta.

A figura 1 mostra os lipossomas que a Pfizer utiliza para o seu produto para vehicularizar as moléculas de RNA dentro das células. As imagens foram obtidas através de uma preparação SEM-Cryo.

As amostras refrigeradas foram processadas em condições estéreis, utilizando câmara de fluxo laminar e artigos de laboratório esterilizados. Os passos para as análises foram:

 

  1. Diluição em 0,9% soro fisiológico estéril (0,45 ml + 2 ml)
  2. Fracionamento da polaridade: 1,2 ml de hexano + 120 ul de RD1 amostra 3. Extracção da fase aquosa hidrofílica
  3. Absorção de UV e espectroscopia de fluorescência
  4. Extração e quantificação do RNA na amostra
  5. Microscopia electrónica e óptica de fase aquosa

 

As observações sob um microscópio de campo escuro do produto pela Pfizer revelaram algumas entidades que podem ser tiras de grafeno.

Microscopia Óptica

As imagens da fração aquosa foram posteriormente obtidas por via óptica para avaliar visualmente a possível presença de grafeno. As observações sob microscópio óptico revelaram abundância de objetos laminares 2D transparentes que mostram grande semelhança com imagens da literatura (Xu et al, 2019), e com imagens obtidas do padrão rGO (SIGMA)(Figuras 2a,b). Foram obtidas imagens de grandes folhas transparentes de tamanho e formas variáveis, mostrando onduladas e planas, irregulares. Folhas menores de formas poligonais, também semelhantes aos flocos descritos na literatura (Xu et al, 2019), podem ser reveladas com microscopia de campo escuro (Fig. 2c). Todos esses objetos laminares estavam disseminados na fração aquosa da amostra e nenhum componente descrito pela patente registrada pode ser associado a essas folhas.

Fig 2a. Fração aquosa da amostra de vacina Pfizer (esquerda) e do padrão de óxido de grafeno reduzido (rGO) (direita) (Sigma-777684). Microscopia óptica, 100X
Figura 2b. Imagens de fração aquosa da amostra da vacina Pfizer (esquerda) e do padrão de óxido de grafeno reduzido sonicado (rGO) (direita) (Sigma-777684). Microscopia óptica, 600X
Figura 2c. Imagens de fração aquosa da amostra de "vacina" da Pfizer. Microscopia de campo escuro, 600X

A presença de grafeno na "vacina" Pfizer é confirmada pelas observações SEM e TEM.

A Fig. 3 mostra um aglomerado de nanopartículas de grafeno em uma vacina Pfizer. Elas parecem estar agregadas. O espectro da EDS relata a presença de carbono, oxigênio e cloreto de sódio, já que o produto é diluído em solução salina.
Fig.3 b Espectro SED de uma "vacina" Pfizer sob um microscópio ESEM acoplado a uma microssonda EDS de raios X (eixo X =KeV, eixo Y = Contagens)

Microscopia Eletrônica de Transmissão

Na fig. 2d mostramos imagens TEM da fração aquosa da amostra, mostrando alta semelhança com as imagens TEM de óxido de grafeno da literatura (Choucair et al, 2009). Uma matriz intrincada ou malha de folhas flexíveis translúcidas dobradas pode ser observada, com uma mistura de aglomerados multicamadas mais escuros e monocamadas de cor mais clara desdobradas. Áreas lineares mais escuras aparecem devido à sobreposição local de folhas e disposição local de folhas individuais em paralelo com o feixe de elétrons. Após a malha, aparece uma alta densidade de formas arredondadas e elípticas claras não identificadas, possivelmente correspondentes a furos gerados pela forçagem mecânica da malha durante o tratamento.

Mostramos aqui 3 imagens com ampliação progressiva:

As figuras 4a e 4b mostram uma observação ao microscópio TEM onde partículas de grafeno em uma "vacina" Pfizer estão presentes. A difratometria de raios X revela a sua natureza de nanopartículas cristalinas à base de carbono.

Fig. 4a. Fração aquosa da amostra ComirnatyTM. Microscópio eletrônico (TEM), JEM-2100Plus, a 200 kV

Para uma identificação definitiva do grafeno por TEM, é necessário complementar a observação com a caracterização estrutural, obtendo uma amostra padrão de difração eletrônica característica (como mostra a figura b abaixo). A amostra padrão correspondente a grafite ou grafeno tem uma simetria hexagonal, e geralmente tem vários hexágonos concêntricos.

Fig. 4b Padrão de difração de raios X das partículas de grafeno.

A quantificação do RNA na amostra foi realizada com protocolos convencionais (Fisher). De acordo com o NanoDropTM 2000 software específico de calibração de espectrofotômetros (Thermofisher), o espectro de absorção UV da fração aquosa total foi correlacionado a 747 ng/ul de substâncias absorventes desconhecidas. Entretanto, após a extração de RNA com kit comercial (Thermofisher), a quantificação com sonda de fluorescência Qbit específica para RNA (Thermofisher) mostrou que apenas 6t ug/ul poderiam estar relacionados com a presença de RNA. O espectro era compatível com o pico do rGO a 270 nm. De acordo com as imagens microscópicas aqui apresentadas, a maior parte desta absorvância pode ser devida a folhas semelhantes a grafite, abundantes em suspensão na amostra. Esta tese foi ainda apoiada por alta fluorescência da amostra com máximo a 340 nm, de acordo com os valores de pico de GO. Deve ser lembrado que o RNA não mostra fluorescência espontânea sob exposição UV.

Fig. 5. Espectro UV da fração aquosa da amostra da vacina Pfizer.

Referências para a preparação 1,2,3

Fluorescência UV de fração aquosa

Figura 6. Espectros de fluorescência UV de fração aquosa do frasco ComirnatyTM. Comprimento de onda de excitação: 300 nm.

Os espectros de absorção UV e fluorescência foram obtidos com o Espectrofotômetro Multi-Mode Reader Cytation 5 (BioteK). O espectro de absorção de UV confirmou um pico máximo a 270 nm, compatível com a presença de rGO. A fluorescência UV máxima a 340 nm também sugere a presença de quantidades significativas de rGO na amostra (Bano et al, 2019).

Fig.7 A análise por espectroscopia UV mostrou uma adsorção que pode ser devida à presença de grafeno, que é confirmada pela observação sob microscópio visível ultravioleta.

As imagens seguintes mostram diferentes partículas identificadas no Pfizer, Moderna, Astrazeneca, Janssen "vacinas" analisadas sob um Microscópio Eletrônico de Varredura Ambiental acoplado a uma microssonda de raios X de um Sistema Dispersivo de Energia que revela a natureza química dos detritos observados.

A figura 8 mostra um estranho corpo estranho, certamente projetado com buracos estranhos na superfície. Os resíduos brancos são compostos por carbono, oxigênio, alumínio, silício, cálcio, magnésio, cloro e nitrogênio.

O corpo de 50 mícrons é uma presença misteriosa em uma vacina. Pode ser um parasita tripanossomal.

A figura 9 mostra um resíduo afiado de 20 mícron de comprimento identificado numa "vacina" Pfizer. É composto por carbono, cromo oxigenado, enxofre, alumínio, cloreto, nitrogênio.
A figura 10 mostra escombros identificados em uma "vacina" da Pfizer. A partícula branca de 2 mícron de comprimento é composta de Bismuto, Carbono, Oxigênio, Alumínio, Sódio, Cobre, Nitrogênio.
A figura 11 mostra um agregado orgânico (Carbono-Oxigênio-Nitrogênio) com nanopartículas de Bismuto-Titânio-Vanádio -Iron-Cobre Silício-Alumínio embutido na "vacina" Pfizer.
A figura 12 mostra um agregado engendrado de nanopartículas de Ferro-Cromo-Níquel (aço inoxidável) incrustadas em uma "vacina" Astrazeneca.
A figura 13 mostra um agregado orgânico inorgânico identificado em uma "vacina" Janssen. As partículas são compostas de aço inoxidável e são coladas juntamente com uma "cola à base de carbono".

Este agregado é magnético e pode desencadear problemas biológicos no interior da circulação sanguínea devido a possíveis interacções com outros dipolos.

A figura 14 mostra outra entidade mista (orgânico-inorgânica) identificada em uma "vacina" Moderna. Trata-se de um substrato à base de carbono onde algumas nanopartículas estão incrustadas. As nanopartículas são compostas por Alumínio-Cobre-Iron-Cloro.
A figura 15 mostra uma análise realizada sobre uma "vacina" Moderna. Muitos corpos estranhos foram identificados com uma morfologia esférica com algumas cavidades em forma de bolha. Eles são compostos de Silicone - Chumbo-Cádmio-Selenium. Esta composição altamente tóxica lembra a dos pontos quânticos (selenieto de cádmio).
Fig. 16 A análise de uma "vacina" Moderna mostra uma entidade de 100 mícrons que faz lembrar a do grafeno. Ela é composta de carbono e oxigênio com contaminação de nitrogênio, silício, fósforo, cloro.
A figura 17 mostra entidades à base de carbono numa "vacina" Moderna misturada com agregados preenchidos com partículas de silicato de alumínio.

Outras análises com um instrumento de XRF (fluorescência de raios X) revelam a parte orgânica da qual a "vacina" Astrazeneca é composta.

Fig. 18: Espectro 1H da vacina AstraZeneca. São utilizadas cores diferentes para as quatro moléculas identificadas por meio de espectros de referência. A concentração relativa é calculada em integrais de sinais de referência para moléculas num espectro quantitativo adquirido com um ciclo de trabalho de 5 segundos, porque o mais longo T1 calculado foi de 5seg. Por meio de XRF Instrumentação foram identificadas as seguintes moléculas: histidina, sacarose, PEG (polietilenoglicol) e álcool etílico. Apenas a presença de PEG é declarada na folha de dados desta "vacina".

Discussão

As "vacinas" analisadas apresentam componentes que não são mencionados na ficha técnica e cuja presença não parece ter a ver com o conceito de vacina. Como não estão incluídas na documentação apresentada às organizações governamentais (FDA, EMA, etc.) para a aprovação legal destinada à comercialização e ao uso humano, parecem ser uma contaminação provavelmente devido ao processo industrial de fabricação. Parece que ninguém controlava o produto final antes da sua distribuição. Isso significa que os consumidores não são informados sobre o conteúdo real dos produtos. Possíveis efeitos colaterais podem ser devidos à injeção desses contaminantes no organismo. Deve-se observar que os componentes que não são declarados, mas que nós

 

identificados não são biocompatíveis e alguns têm também um impacto mecânico uma vez que estão dentro da circulação sanguínea, especialmente em contacto com o endotélio vascular.

As entidades presentes nas "vacinas" Pfizer e Astrazeneca, identificadas pelas imagens do ESEM, podem representar um risco para o corpo humano. Elas podem ser responsáveis pela formação de trombos, pois são trombogênicos. Um outro risco é representado pela extravasação das partículas com uma possível hemorragia. Uma vez na circulação sanguínea, as partículas podem ser transportadas também para o cérebro. Neste caso, o paciente pode sofrer de um AVC e/ou de uma hemorragia cerebral. Se o dano do endotélio causado pelas partículas ocorrer no coração, há uma alta probabilidade de contrair uma miocardite. Além de tudo isso, a toxicidade do grafeno é bem conhecida.

A presença de corpos estranhos orgânicos-inorgânicos não biocompatíveis na circulação sanguínea pode ser responsável por uma nano-bio-interação que pode induzir graves problemas de saúde.

Referências

Bano, I. et al , 2019. Explorando as propriedades de fluorescência do óxido de grafieno reduzido com desempenho de dispositivos sintonizáveis,Diamante e Materiais Relacionados,Volume 94,59-64,ISSN 0925- 9635,https://doi.org/10.1016/j.diamond.2019.02.021.

Biroju, Ravi & Narayanan, Tharangattu & Vineesh, Thazhe Veettil. (2018). Novos avanços em eletroquímica 2D - Catálise e Sensoriamento. 10.1201/9781315152042-7.

Choucair, M., Thordarson, P. & Stride, J. Gram scale production of graphene based on solvothermal synthesis and sonication. Nature Nanotech 4, 30-33 (2009). https://doi.org/10.1038/nnano.2008.365

Kim et al, Seeing graphene-based sheets, Materials Today,Volume 13, Edição 3,2010,Páginas 28- 38,ISSN 1369-7021,https://doi.org/10.1016/S1369-7021(10)70031-6

Xu et al, (2019) Identification of graphene oxide and its structural features in solvents by optical microscopy, RSC Adv., 9, 18559-18564

Partilhar botões

Telegrama
Email
Facebook
Twitter
WhatsApp
Imprimir

Boletim informativo

Seja o primeiro a saber quando o Dr. Trozzi liberta conteúdo. A adesão ao nosso boletim electrónico é gratuita, e pode cancelar ou alterar as suas definições de notificação em qualquer altura.


Ao enviar este formulário, você está consentindo em receber e-mails de marketing de: Trozzi, https://drtrozzi.com/. Você pode revogar seu consentimento para receber e-mails a qualquer momento usando o link SafeUnsubscribe®, encontrado na parte inferior de cada e-mail. Blockquote
pt_PTPortuguês